IPB

Bienvenue invité ( Connexion | Inscription )

 
add postStart new topic
Paris Saint-Lusitanos, feijoada et Bacalhau
Dagoberto
posté 15/02/2015 00:16
Message #1


Légende
*****

Groupe : Members
Messages : 23,824
Inscrit : 19/01/2009
Membre no 630
Tribune : Canapé



Hello,

Je lance ce topic afin de donner principalement des coups de main de trad à Philo pour des articles portugais/brésiliens.

J'aurai besoin d'aide pour traduire l'article suivant pour Philo et mon portugugais étant assez limité je voudrais éviter les fautes de trad qui veut dire tout et son contraire comme quand tu crois qu'elle te dis "biensur que je suis une femme!" et en fait non. Quand c'est pour le forum c'est un peu moins grave que pour un article culture.

L'article en question:

Citation
Raí diz que até a torcida do Corinthians vibrava com ele

Imagine a cena: estádio do Morumbi lotado para um São Paulo e Corinthians, ainda nos tempos de clássicos com torcidas divididas. O grande nome do elenco são-paulino dá um passe surpreendente e todos os espectadores vibram com a genialidade. Inclusive os corintianos.


Raí foi campeão da Libertadores. Do Mundial de Clubes. Da Copa da Uefa. Da Copa do Mundo. Mas quando o UOL Esporte perguntou qual lance mais marcava sua memória, ele até falou de gols e comemorações de título. Mas a única jogada que narrou, com riqueza de sensações, envolveu a reação de uma torcida que não era a dele.
"Eu estava de frente para a torcida do Corinthians, perto da linha lateral. A bola subiu, tinham dois marcadores chegando para me caçar. E eu percebi que tinha um jogador do São Paulo chegando. Eu fingi que iria matar no peito, mas toquei para trás, de cabeça. Foi aí que ouvi a torcida do Corinthians gritar: Óóóóó. Surpreendi até a torcida...", orgulha-se.

Não poderia ser diferente. Desde a aposentadoria, há quase 15 anos, o ex-camisa 10 do Morumbi manteve uma trajetória bem diferente daquela típica de um jogador de futebol. Nunca pensou em ser técnico. Dirigente? Dispensou as oportunidades que apareceram. Preferiu, também, não ser comentarista. Hoje, é sócio de uma empresa que administra, entre outros negócios, uma sala de cinema.
Além disso, mantém a Gol de Letra, uma ONG que trabalha com crianças carentes, e é um dos fundadores da Atletas pelo Brasil, uma organização que luta por mudanças na estrutura do projeto esportivo brasileiro. Superou o futebol, tornou-se influente politicamente.

São 15 anos de aposentadoria, certo? Porque não voltou a trabalhar diretamente com o futebol nesse período?
São 15 anos [após o fim da carreira] no meio do ano. Tive algumas propostas [para voltar ao futebol], mas, por vontade própria, quis passar dois anos longe do universo do futebol. Sempre tive interesses diferentes e o futebol consome. Tive algumas participações, no São Paulo e no Paris St. Germain, como consultor, mas a minha vida e as novas experiências foram me levando para outros projetos. Não necessariamente fora do esporte, mas fora de um clube. Tive uma experiência em um projeto social, que foi muito rica, no Gol de Letra, que começou há 16 anos. É um projeto bem-sucedido, que influenciou politicas públicas e ajudou milhares de crianças e adolescentes. E a isso me levou a ser um dos fundadores da Atletas pelo Brasil, que é uma ação para influenciar politicas públicas por meio da força de mobilização dos atletas. É minha maneira participar. Comecei a perceber que se tivesse envolvido com um clube, com um projeto apenas, ia ficar muito restrito. Com meu perfil, acho que posso contribuir muito mais para a sociedade da forma como atuo. E quero investir ainda mais. Quero estudar, me formar, ter mais experiências práticas e colocar isso em parte da minha carreira e ação politica.

Mas, como ex-jogador, você deve acompanhar o futebol. Como você vê a situação atual do esporte no Brasil?
Existe um caminho sem volta para o profissionalismo na gestão dos clubes. Quanto mais tempo demorar, mais tempo o futebol brasileiro vai ficar patinando. Pode até mesmo regredir. Não falo nem em discutir um modelo maior, com maior responsabilidade dos clubes. O Gustavo [Oliveira, seu sobrinho que é gerente executivo no São Paulo] é um exemplo dessa modernização. E você vê a gestão no Palmeiras mudando, chegando com outra visão, tentando ser mais responsável. A mesma coisa acontece no Flamengo. Os clubes estão falidos porque o sistema todo está falido. Na estrutura atual, as decisões em um clube são tomadas por poucas pessoas. E essa pouca transparência [nas decisões] inibe investimentos. E isso tem impacto econômico. Se você existir profissionalismo, transparência e um novo modelo associativo, político e de gestão do futebol profissional, vai continuar inibindo investimento. O impacto na gestão causa impacto esportivo e também econômico.

Mas dentro de campo também existe um atraso? Muitos falam de caos tático, principalmente após o que aconteceu na Copa do Mundo...
Você vê uma evolução muito grande lá fora, que não vê aqui. São ciclos centrados em treinadores que revolucionaram o esporte nos últimos anos. E o Brasil ficou fora disso. Você tem o Mourinho, desde o Porto. O Guardiola, o Del Bosque. São técnicos que mudaram o futebol. Olhe o Guardiola: mesmo sem ser treinador de uma seleção, foi duas vezes campeão do mundo. A base da Espanha era o Barcelona. E a base da Alemanha era o Bayern. Tudo bem que ele não fez o Bayern sozinho, mas influenciou muito, na movimentação, no entrosamento. A gente ficou muito longe dessa evolução tática. E mais do que isso: não conseguiu ainda enxergar renovação, novos treinadores. E isso também é reflexo falta de investimento em novos profissionais.

O Brasil não tem novos treinadores, então?
Uma pessoa de quem gosto muito, e que está acrescentando algo novo, é o [técnico da seleção olímpica Alexandre] Gallo. Joguei com ele e sempre conversei sobre o que ele pretendia. Sei o quanto ele investiu, o quanto estudou. Está tentando fazer seu trabalho na CBF, mas é uma exceção. Vários da nova geração não vingaram. E não se vê novos [nomes]. Existem grandes treinadores no Brasil. Mas são poucos. São os mesmos há 20, 30 anos. Quando você pega o número de jogadores brasileiros com sucesso no exterior e compara com o número de treinadores brasileiros com sucesso lá fora, não precisa de muita análise para tirar uma conclusão. Nenhum futebol no mundo evolui sem bons treinadores. E voltamos a uma discussão longa e repetitiva de que não existe plano de formação de profissionais para trabalhar no futebol, incluindo treinadores.

Mas você não vê isso apenas nos técnicos. O fato do Brasil ter mais defensores com destaque do que atacantes no futebol europeu também é sintomático, certo?
Isso não é novo. O Brasil começou a ter grandes defensores já na minha época, com Ricardo Gomes, Ricardo Rocha, Aldair, Mozer... Dava para escalar dez defesas para a seleção. Mas não deixávamos de ter grandes jogadores no ataque. Eu tenho uma teoria de que, com a crise econômica [dos clubes] e a carência de atletas, qualquer jogador de exceção chega ao profissional com 17, 18 anos. Isso é diferente da minha época. No juvenil, o Botafogo de Ribeirão Preto tinha quatro, cinco jogadores com potencial de chegar à seleção brasileira. Eu e o Boiadeiro, por exemplo, chegamos. Mas tinha um time com muitos bons jogadores, e, mesmo assim, demorava-se muito para chegar ao profissional. Então, a gente jogava com um time de bom nível técnico durante toda a nossa formação. Mas hoje, se o cara tem potencial, a carência é tão grande que ele chega ao time profissional com 17 anos. E o que acontece? A qualidade do jogo nos campeonatos juvenis e juniores cai muito, já que os melhores já subiram. Quando você tem um time de qualidade técnica baixa nas categorias menores, muda estilo de jogar. Tem de ser um jogo defensivo, de contra-ataque, truncado. Você tem de botar mais empenho na marcação do que na criação. Aí acaba fazendo com que o nível técnico como um todo caia bastante.

O ideal é adiar a promoção dos atletas, então?
A formação dos novos jogadores profissionais é prematura. Têm treinadores que trabalham melhor isso, tem os craques, jogadores de exceção, como o Neymar. Depende muito da estrutura do clube. Mas, com certeza, muitos jogadores, por subirem muito rápido, acabam prejudicados. Se não for excepcional, não consegue. Se for de qualidade média e chegar ao profissional com 17, 18 anos, pode comprometer a carreira como um todo. Se você não é genial, vai ter de se adaptar ao jogo mais duro do profissional, mudar suas características. Se ficasse mais tempo entre os juvenis, existiria uma evolução mais natural, mais voltada ao talento, menos à sobrevivência em um ambiente avançado demais.

Falando de um caso concreto: como você vê o São Paulo atual?
Se você pegar a média dos clubes no Brasil, [o São Paulo] é o que menos se desfez de jogadores. Já tinha uma base boa, que vinha de um bom campeonato, que tinha sido melhor do que nos últimos anos. E tentou investir em alguns pontos fragilizados. Desde o ano passado, tem uma boa politica de contratações, de buscar o equilíbrio do time. Sem dúvida entra como favorito. Mas daí a ganhar, é um trabalho duro. Não é longo, porque Brasil tudo é a curto prazo. Mas é um trabalho duro, que tem de mostrar evolução.

E qual sua opinião sobre a aposentadoria do Rogério Ceni?
O Rogério é uma exceção. A autocrítica dele é tão grande que não o deixaria continuar se não sentisse que poderia seguir em bom nível. E ele continua em um bom nível. Foi um dos melhores do São Paulo no ano passado, com atuações decisivas. E vai fazer isso nos campeonatos que disputar. Isso é o mais importante. Enquanto ele tem prazer e capacidade para fazer o que faz, ele segue. E goleiro é uma posição que permite isso. E ele continua eficiente e muito bom. É um dos melhores do São Paulo. Ele sabe que [o adeus aos campos] está próximo. Mas espero que os últimos campeonatos sejam como ele merece. E, se possível, com grandes títulos.

Você foi campeão por onde passou. Com o São Paulo foi campeão mundial e da Libertadores. Com o PSG tem o título da Copa da Uefa. Com a seleção ganhou a Copa de 1994. Faltou alguma coisa?
Talvez não ter jogado outra Copa. Durante a carreira, eu não pensei nisso. Mas hoje, vendo jogadores, como Kaká, como vai ser o Neymar, grandes atletas, que jogaram três, quatro Copas do Mundo, eu penso que só tive uma. Estou com 100% de aproveitamento, então não dá pra dizer que é frustração, mas ficou faltando uma. Talvez a da França de 98. Eu jogava lá, a minha história era com a França. Seria a cereja no bolo.

Hoje, você faz parte de um momento novo do esporte, em que os atletas estão mais ativos na luta pela evolução do esporte, um movimento que tem no Bom Senso e no Atletas pelo Brasil suas faces mais atuantes. Porque aconteceu agora?
Isso faz parte do amadurecimento da democracia, em qualquer setor. O esporte tem uma dificuldade a mais. Em qualquer outra carreira, você tem 40 anos. No esporte, são 15. E qualquer pessoa que esta envolvida com o esporte sai aos 35 anos. Existe a dificuldade de continuidade. Mas essa cultura, que começou lá atrás, mesmo antes do Sócrates, vai formando uma geração com visão diferente. Ainda bem que existem pessoas como a Magic Paula, a Ana Moser, o Lars Grael, que sempre se posicionaram e tem ações concretas junto à população menos favorecida. São experiências práticas combinadas com as de atleta. É uma visão mais ampla. Nós, do Atletas pelo Brasil, esperamos influenciar outra geração, assim como o Bom Senso vai influenciar. O que queremos é que esse pessoal que está na Taça São Paulo veja o Bom Senso e o Atletas Brasil ganhando força e pense em, também, participar. Para que isso crie uma cultura. Vamos fazer com que esse trabalho tenha uma participação mais ativa e, principalmente, mais efetiva.

O Atletas, recentemente, criticou a nomeação do ministro do Esporte, George Hilton. E o resultado foi uma promessa do próprio ministro de que vocês seriam ouvidos...
Foi uma questão de critérios. Em um momento importante do esporte nacional, em que pensamos maneiras para aprofundar a discussão sobre a organização do esporte nacional, da politica de esporte nacional, de como ter legado pós-Olimpíada e Copa, um cargo tão importante foi definido por critérios políticos. O esporte tem de ser encarado de forma diferente. É importante no desenvolvimento do país, no desenvolvimento humano, na educação, na saúde. Existem bons projetos por todo país. Mas em termos da estrutura, de pensar global, pouco avançamos. É positivo esse início de conversa com o novo ministro. Com o [Rebelo, ex-ministro do Esporte], existiu a conversa, mas ele estava no meio da preparação da Copa, sofrendo pressão, e nosso diálogo não caminhou. Agora, conseguimos o compromisso de que seremos ouvidos. Deixamos claro quais eram as nossas propostas e o que queremos. São condições que devem ser cumpridas para que a gente continue conversando.

Essa conversa com o Ministério é um exemplo de que aquela imagem do atleta alienado, apolítico, está mudando?
Isso está mudando porque estamos mostrando maturidade. O Atletas, por exemplo, existe há sete anos e passou por um processo de amadurecimento interno. Descobriu como se organizar enquanto associação. E tivemos conquistas concretas. A partir do momento em que esse amadurecimento se mostra sólido, as posições ficam mais firmes, os objetivos são definidos e são estabelecidas metas, que é o que a gente sempre viveu no esporte, sendo traduzido para a ação política. Temos de mostrar nosso peso no meio politico e para a opinião pública, mostrar que estamos colocando nossa "expertise" e nossa vontade de colaborar em prol do esporte nacional. E a partir do momento em que isso ganha força, em que mostramos conteúdo, começamos a ser ouvidos. Agora, é visibilidade a isso. Quais são as nossas propostas? E como vamos avançar? Acredito que tem de haver discussão sobre o esporte no país. E nós temos de participar. Se isso não acontecer, vamos ter uma visão crítica. Estamos mostrando preparo para participar de maneira propositiva e mais contundente.


source: http://www.ararunaonline.com/noticia/14445...vibrava-com-ele

J'en suis à mon 20ème gramme d'oxy aujourd'hui donc je compte sur vous ph34r.gif

Multe Obrigado
Go to the top of the page
 
+Quote Post
Dagoberto
posté 15/02/2015 01:19
Message #2


Légende
*****

Groupe : Members
Messages : 23,824
Inscrit : 19/01/2009
Membre no 630
Tribune : Canapé



Début de trad:

Rai demande au fan de Corinthians de rugir avec lui

Imaginez la scène : Le stade Morumbi bondé pour un match de Sao Paulo contre Corinthians, encore en ce temps de classico sous tension. Le grand nom de Sao-Paulo donne une passe incroyable et tout les spéctateur vibre avec le génie, même les supporter des Corinthians.


Rai a gagné la Copa Libertadores, la coupe du monde des clubs, la coupe de l'UEFA et la coupe de monde.
Mais quand OL Esporte lui demande son plus grand souvenir il a parlé de ses buts ou des célébrations des titres. Mais le seul moment qu'il a raconté avec émotion est la réaction de supporters qui n'étaient pas les siens.

«Je faisais face à des fans Corinthians, près de la ligne de touche. Le ballon monta, deux de leurs defenseurs viennent me marquer. Et j'ai réalisé que je avais un joueur de São Paulo qui arrivait. Je ai fait semblant que je allais contrôler de la poitrine, mais j'ai joué le ballon de l'arrière de la tête et je ai entendu les fans de Coritihans crier "oooooh" de surprise ... "dit-il fièrement. (ps: si quelqu'un a la vidéo je suis preneur)

Il n'en pouvait être autrement, depuis sa retraite, il y a 15 ans, l'ex numéro 10 du Morumbi a pris une trajectoire différente des autres footballeur. Il n'a jamais pensé à être entraîneur. Manager? Il a repoussé les proposition qu'il a eu. Il a préféré également ne pas être commentateur sportif. Aujourd'hui il est associé dans une société qui gère, entres autres, une salle de cinéma.

En outre,il continue son implication dans Gol de Letra, une ONG qui travail avec les enfants défavorisé, et est également le fondateur d'Atletas pelo Brasil, une organisation qui lutte pour des changements structurels dans les projets sportifs brésiliens. Le football dépassé, il a maintenant une influente politiquement.

Début de trad:

Rai demande au fan de Corinthians de rugir avec lui

Imaginez la scène : Le stade Morumbi bondé pour un match de Sao Paulo contre Corinthians, encore en ce temps de classico sous tension. Le grand nom de Sao-Paulo donne une passe incroyable et tout les spéctateur vibre avec le génie, même les supporter des Corinthians.


Rai a gagné la Copa Libertadores, la coupe du monde des clubs, la coupe de l'UEFA et la coupe de monde.
Mais quand OL Esporte lui demande son plus grand souvenir il a parlé de ses buts ou des célébrations des titres. Mais le seul moment qu'il a raconté avec émotion est la réaction de supporters qui n'étaient pas les siens.

«Je faisais face à des fans Corinthians, près de la ligne de touche. Le ballon monta, deux de leurs defenseurs viennent me marquer. Et j'ai réalisé que je avais un joueur de São Paulo qui arrivait. Je ai fait semblant que je allais contrôler de la poitrine, mais j'ai joué le ballon de l'arrière de la tête et je ai entendu les fans de Coritihans crier "oooooh" de surprise ... "dit-il fièrement. (ps: si quelqu'un a la vidéo je suis preneur)

Il n'en pouvait être autrement, depuis sa retraite, il y a 15 ans, l'ex numéro 10 du Morumbi a pris une trajectoire différente des autres footballeur. Il n'a jamais pensé à être entraîneur. Manager? Il a repoussé les proposition qu'il a eu. Il a préféré également ne pas être commentateur sportif. Aujourd'hui il est associé dans une société qui gère, entres autres, une salle de cinéma.

En outre,il continue son implication dans Gol de Letra, une ONG qui travail avec les enfants défavorisé, et est également le fondateur d'Atletas pelo Brasil, une organisation qui lutte pour des changements structurels dans les projets sportifs brésiliens. Le football dépassé, il a maintenant une influente politiquement.

Ca va faire maintenant 15 ans que vous être à la retraite, non? Pourquoi n'avoir jamais voulu retravailler dans le monde du football durant cette période?
Cela va faire 15 ans en milieu d'année. J'ai eu des proposition que j'ai volontairement refusé, je voulais passer deux ans loin de l'univers du football. J'ai eu des centres d'intérêts différents. J'ai tout de même participé en tant que consultant auprès de Sao Paulo et du PSG mais ma vie et mes nouvelles expériences m'ont emmené sur d'autres projets.
Go to the top of the page
 
+Quote Post
Dagoberto
posté 15/02/2015 16:50
Message #3


Légende
*****

Groupe : Members
Messages : 23,824
Inscrit : 19/01/2009
Membre no 630
Tribune : Canapé



gros succès pour cette demande ph34r.gif

Je continuerais la trad tout à l'heure donc
Go to the top of the page
 
+Quote Post
11G
posté 16/02/2015 13:16
Message #4


Joga bonito
****

Groupe : Members
Messages : 10,286
Inscrit : 23/01/2009
Lieu : Paris
Membre no 687
Tribune : Non précisée



Je vais essayer de relire tout ça smile.gif

Pour la video c'est introuvable mais je suppose qu'ils parlent du match après son retour en France
Les seules chose qu'il y a encore c'est ça:




Si tu connais la minute



ph34r.gif


Sinon en bonus ses buts lors des derbys kratos77.gif

Son triplé en 91



Go to the top of the page
 
+Quote Post
Dagoberto
posté 24/09/2015 16:02
Message #5


Légende
*****

Groupe : Members
Messages : 23,824
Inscrit : 19/01/2009
Membre no 630
Tribune : Canapé



https://www.facebook.com/video.php?v=10154676637888504


Go to the top of the page
 
+Quote Post
Homer
posté 25/09/2015 09:05
Message #6


Coeff 7 UEFA
******

Groupe : Rédacteurs
Messages : 71,421
Inscrit : 29/12/2008
Membre no 38
Tribune : Viré du stade



Isabela Pagliari 41148013dff4d0.gif


--------------------
J'ai eu l'honneur d'être un Parisien © Hans Majestät Zlatan Ibrahimovic 21/05/2016
#JeSuisBaboudiniste © 26/05/2016
Fan Club Michel Leeb
Le vrai sujet de l'élection présidentielle, c'est l'indépendance de la France © Général Charles de Gaulle
Go to the top of the page
 
+Quote Post

add postStart new topic
1 utilisateur(s) sur ce sujet (1 invité(s) et 0 utilisateur(s) anonyme(s))
0 membre(s) :

 



Version bas débit Nous sommes le : 20/08/2019 19:42